DMAISB – Construções Inteligentes

Blog

Como evitar trincas na parede?

Trincas na parede podem ser comuns em alguns ambientes, o que não significa que sejam aceitáveis. Além do aspecto mal cuidado, elas podem evoluir para problemas mais sérios, como as rachaduras.

Principalmente em escritórios e espaços corporativos, a situação precisa ser reparada com urgência, uma vez que impacta a imagem do negócio.

A seguir vamos ver algumas medidas que podem evitar o quadro e, assim, manter o bom estado da edificação. Acompanhe!

Elimine os insetos

Embora não seja comum, formigas e cupins, em grande quantidade e atuando por longo período, podem fazer túneis subterrâneos capazes de provocar oscilações no solo e comprometer a fundação.

Portanto, garanta a manutenção periódica do imóvel e, se preciso for, recorra a uma boa dedetização.

Escolha materiais de qualidade

Trabalhar com materiais de procedência garantida pode evitar uma série de problemas na edificação. Para não ter trincas na parede, no caso, é importante prestar atenção à argamassa, concreto e gesso, por exemplo. Eles podem apresentar perda de volume, por conta da perda de umidade. Esse tipo de retração é chamado de secagem.

Resolva infiltrações para não ter trincas na parede

Se não for solucionada a tempo, a entrada de água pode atingir o concreto e danificá-lo. Pode até mesmo chegar a corroer amarras de aço e ocasionar o risco de fazer a estrutura ruir.

Quer acabar com os vazamentos? Providencie a impermeabilização das paredes e do teto!

Evite terrenos instáveis

O recalque é um fenômeno que atinge a fundação do imóvel e coloca-o em perigo de desmoronar. Ou seja, evolui para um grau bem mais preocupante a questão das trincas na parede.

O rebaixamento ocorrido, em geral, se deve ao assentamento do edifício no solo. Dessa maneira, procure terrenos que ofereçam maior estabilidade à construção.

Quer saber mais?

Entre em contato com a DMAISB e conheça nossas soluções para assegurar uma obra de alta performance!

Referências: Habitismo, Viva Real, Bonde.

Compartilhe este post



Comentários (0)

Deixe o seu comentário!